Saturday, 2 February 2013

Arco-Íris










                                               Essa mania de esticar-me ao céu
                                                        e retocar o arco-íris,
                                                   à analogia dos teus olhos,
                                                           vivas aguarelas,
                                   suspende-me na memória de um amor tão alto,
                                                        tão alto, meu amor,
                                                que às vezes sinto-me nuvem
                                          e deixo-me ir em lufadas vertiginosas,
                                                 quiçá para além do horizonte,
                                               onde ainda te fazes madrugada.

                                                            (Luís R Santos)













                                             

3 comments:

  1. Perfeito.
    Sei que a perfeição não existe em poesia, mas se existisse, o teu poema seria perfeito.
    Porque é excelente e qualquer poeta, mesmo de nomeada, gostaria de o ter escrito. Incluindo eu...
    Um abraço, caro Luís.

    ReplyDelete
  2. Madrugada, que se espera
    Tão longe e tão belas como as cores
    Do arco-íris,
    Por vezes a brisa leva
    Deixando o sonho voar alto!

    Muito belo, teu poema.

    Beijo

    ReplyDelete
  3. A poesia é um lugar sem chão: um golpe de asa, e tudo nos eleva...

    Beijo, Luís.

    ReplyDelete